El poeta brasiguayo Alejandro Abdul: sin fronteras

20131203-cigarras.jpg

Carta

Escribirte de nuevo 

me faz tre-mer

espero que pienses

mi contorno en tu arco iris

tanto quanto eu penso

tua sombra no meu sorriso

 

te digo que te extraño

mesmo que las mentiras lo nieguen

te digo que me con-fundo

 

meu espelho

se rompe en mi reflejo,

trozos de extranjero

dilatan mis memorias

placidas,

suaves,

hermeticas

                                               (a)mo.


 

AS HORAS DE….A

São 3:00 da manhã,
cadê a minha…minha caneta?
A madrugada se arrasta
como uma…uma cascavel,
que escolhe folhas secas para dormir…dormir melhor
Olhe com atenção! por…porque se alguma cascavel
Se…se dispõe a se…se defender, ela morde,
infecta você com seu VE – NE – NO
É provável que não alcance algum…conto para contar

São 4:00 da manhã,
cadê o meu…meu caderno?
A madrugada se arrasta
como uma…uma lagartixa,
fria, veloz como a sua língua ás…áspera
Mas estou só. Andando pelas pare…paredes

São 5:00 da manhã,
cadê os meus óculos?
A madrugada continua se arrastando
quase para…parando
ruído algum,
Os minutos esperam os segundos passar… TIC-TAC-TIC-TAC…

São 6:00 da manhã
O encontro dos desencontrados
A madrugada para…para de se arrastar
COCORICÓ….COCOROCÓ….QUIQUIRIQUI….cantou o galo
Despertando….o nascer do sol

 

Cigarras

Acordando ao canto da cidade ardente

Não dos motores

Não das línguas

Daquelas que sonham em cantar por anos

Como seria viver três anos embaixo do pano?

Do pano roxo que lhes trás à vida

Do trabalho ao canto

Um cantarolar que eu conto

Ao acordar e lembrar que é dia

Dias em que trabalho

Dias a fio em que elas soam

Como uma sirene

Dos seus dias de prole

Dos meus dias de pranto

Nota: A terra avermelhada da região, característica também de Foz do iguaçu, é conhecida como “terra roxa”, pois imigrantes italianos a chamavam por “terra rossa”, então o aportuguesamento para “roxa” ao invés de “vermelha”. As cigarras, em seu período larval, podem viver de 3 até 17 anos abaixo da terra, dependendo da espécie, eclodindo apenas em sua fase madura, período em que cantam, copulam e em seguida morrem, período este que marca o início da primavera. Cigarras também estão presentes em Foz do iguaçu.

“Convivo com o hibrido. Aqui não há só uma identidade, mas muitas. 

Nunca sei quem está aqui de passagem ou quem realmente vive aqui.

As fronteiras se dissolveram. A diferença aqui é normal. Somos um

povo em transito.  Tudo se move com as cataratas”

“Garganta do diabo”, primer poemario que prepara Alejandro Abdul y que será lanzado, por Guardanapo Editores, proximamente en Foz do Iguaçu.

 

Puntuación: 5 / Votos: 8

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *


*